[ editar artigo]

Startup disponibiliza serviço de telemedicina durante emergência do coronavírus

Startup disponibiliza serviço de telemedicina durante emergência do coronavírus

Serviço é autorizado pela portaria do Ministério da Saúde e prevê atendimento médico e liberação de receitas à distância

A Descompplica, startup de multibenefícios destinada à classe C, prestará serviços de telemedicina aos usuários do cartão durante emergência do coronavírus. O serviço conta com uma rede credenciada de 300 especialistas em saúde e começa a ser ofertado a partir do dia 30, de forma online em todo o Brasil. O atendimento inclui consultas, liberação de atestados e receita médica.  

Para ter acesso ao serviço de telemedicina oferecido pela startup, o paciente deverá ser um usuário do cartão Descompplica e pagar uma mensalidade de R$ 29 reais mensais. Além de telemedicina e saúde, outros benefícios como crédito, empréstimo, conta bancária e apoio a microempreendedores também são oferecidos. Com o serviço de telemedicina, a startup espera intermediar o atendimento médico à distância de mais de 40 mil pessoas. 

“A liberação do uso da telemedicina pelo ministério da saúde veio na hora certa. Essa medida pode reduzir o grau de exposição ao risco de infecção do coronavírus, já que os pacientes que necessitarem de consultas básicas poderão realizar à distância. Nosso objetivo é prezar para que o atendimento entre médico e paciente seja realizado com qualidade e eficiência, levando as pessoas a adotarem esse método para evitar ao máximo sair de casa no período de quarentena”, explica Raissa Urbano, CEO da Descompplica.

Portaria do ministério da saúde autoriza liberação de telemedicina como alternativa de combate ao coronavírus

A oferta do serviço telemedicina, que é o atendimento médico à distância, faz parte de uma regulamentação divulgada no dia 23 pelo ministério da saúde como forma de combate ao coronavírus. A decisão autoriza o atendimento pré-clínico de pacientes, suporte assistencial, consulta, monitoramento e diagnóstico. Atestados e receitas médicas também poderão ser oferecidos, se estiverem com assinaturas eletrônicas por meio de certificado reconhecido e dados de identificação do médico e do paciente.

Os médicos devem registrar o atendimento em prontuário e inserir dados como horário da consulta, informações do paciente e número do CRM. Casos de identificação do coronavírus devem ser notificados à rede de saúde. 

Para mais informações, acesse: www.descompplica.com.br  ou www.prcouti.com.br 

Empreendedorismo Rosa
Ler conteúdo completo
Indicados para você