[ editar artigo]

Por que o feminismo não é chamado igualitarismo ou humanismo?

Por que o feminismo não é chamado igualitarismo ou humanismo?

 

Tem havido muita confusão sobre por que o feminismo não é igualitarismo ou humanismo, ou apenas “igualdade”, pura e simplesmente. Muitos argumentam que, se o feminismo se esforça para a igualdade, por que é chamado de “feminismo” com “fem” na sua raiz etimológica? Esse é um dos principais argumentos que um monte de anti-feministas usam para tentar desacreditar feministas e jogar o feminismo para baixo. Portanto, neste post, eu vou tentar explicar da melhor forma possível.

palavra feminismo foi inventada no final dos anos 1800 pelo francês Charles Fourier. Ela foi usada para se referir ao movimento das mulheres em luta por seus direitos.

Para além disso, a história da palavra é questionável, mas a maioria concorda que “femme” inspirou o “feminisme” Francês — a palavra original que Fourier cunhou. E femme, de fato, significa mulher, em francês. Então, sim, o “fem” no feminismo se refere às mulheres, e por boas razões. Quando o feminismo estava apenas começando a ganhar força, era sobre a igualdade de direitos políticos e legais das mulheres, e não os dos homens. Homens já tinha os direitos que as mulheres procuravam. (Para saber mais sobre as diversas fase e lutas do feminismo, clique aqui)

Desde que as mulheres aparentemente alcançaram a igualdade legal, muitas pessoas argumentam que o feminismo como um movimento de mulheres não é mais relevante. Agora deve apenas tornar-se humanismo ou igualitarismo.

O que seria Igualitarismo?

Igualitarismo é a crença de que todas as pessoas são iguais e devem ser iguais.
E uma vez que o igualitarismo é sobre a igualdade humana e igualdade de direitos a recursos, e o humanismo luta contra qualquer problema que as pessoas enfrentam — como a igualdade e os direitos humanos — o humanismo e igualitarismo estão relacionados.

Vamos esclarecer isso.

Pelo que entendi, o humanismo é a crença de que os seres humanos são bons, e que os problemas podem ser resolvidos com a razão, em vez de meios sobrenaturais ou religiosos.
Para citar o site “O que é o humanismo?” página da Organização Americana Humanista:

Ética humanista é a única preocupação com a satisfação das necessidades humanas e a procura de respostas para os problemas da humanidade- tanto o indivíduo como para a sociedade, e dedica nenhuma atenção para a satisfação dos desejos de supostas entidades teológicas.

Com base nisso, eu acho que o meu entendimento está correto.

Humanismo também está focado em questões sociais como direitos humanos e liberdades civis — o que inclui os direitos das mulheres, já que as mulheres são humanos.

Como Anita Sarkeesian de Frequência Feminista coloca:

Mary Wollstonecraft … [a escritora feminista] no final de 1700, argumentou que, se para nos tornamos humanos bastaria a razão, e se as mulheres podiam raciocinar, então as mulheres eram humanos. E uma vez que todos os seres humanos têm a capacidade de melhorar, portanto, segurar a vida das mulheres no atraso da pré-história com base em tradições culturais ou religiosas arbitrárias era fundamentalmente injusto.

Então, se as mulheres são humanas, e o humanismo é sobre os direitos humanos, então os direitos das mulheres são importantes no humanismo, isso porque o feminismo é sobre acabar com a opressão sexista, ganhando direitos que todos os seres humanos devem ter, e, assim, alcançar a igualdade — que também cumpre o igualitarismo.

Assim, parece que o feminismo, o igualitarismo, e o humanismo andam de mãos dadas. Anita vai mais longe ao argumentar que o feminismo e humanismo não só andam de mãos dadas, mas “na verdade para ser um humanista necessita também ser um feminista.”

Quero dizer, como você pode dizer que você é um humanista — que, por definição, significa que você não só acredita que as pessoas podem ser boas, sem necessidade de religião, mas também que os problemas que a humanidade enfrentam podem ser resolvidos— e depois dizer que você não é um feminista. 

Campanha contra o estupro (clique para saber mais)

Vamos ignorar o fato de que o feminismo não é apenas sobre as mulheres em primeiro lugar: se o feminismo ainda era apenas para as mulheres, o que seria o problema lá? As mulheres não se qualificam para a igualdade que todos os seres humanos merecem?

Claro que elas merecem.

O problema é que muitos que se dizem humanistas e igualitários acreditam que a igualdade já foi alcançada.
Claro, pelo menos nos Estados Unidos e Canadá, as mulheres ganharam a maioria dos direitos legais que elas vinham lutando. Mas estamos longe de terminar. (Temos como exemplo a luta das atrizes em busca de salários iguais, só para ficar nas matérias de maior destaque).

Apesar de terem o direito legal para votar, existem muitas outras maneiras em que as mulheres estão muito longe de igualdade em nossa sociedade.
Os EUA não tem sequer chegado perto de igualdade política, no entanto, por um lado, que o Canadá fez história a esse respeito recentemente.

As mulheres também são super sexualizadas muito mais do que os homens — especialmente as mulheres pretas. E até eles ficam envergonhados por serem sexualizados.

Em vez disso, gostaria de salientar que o direito legal das mulheres ao voto não é a única maneira que as mulheres devem ser iguais.
Igualitaristas e humanistas argumentam que deveríamos ignorar as atuais questões de gênero em favor da igualdade, porque eles já alcançaram a igualdade. Mas não é apenas nos olhos da lei que as mulheres precisam ser tratados de forma igual. É em nossa sociedade como um todo.

Ao argumentar que o feminismo deve mover-se em favor de “igualdade,” reforça-se a ideia que as questões de gênero não importam. Diante disso, Anita Sarkeesian levantou outro grande ponto: ser cego ao gênero é o mesmo de ser “daltônico”.

Ao ser cego à raça, ignora-se os problemas que as pessoas negras enfrentam ou em outras palavras “as consequências de ser a raça errada nos Estados Unidos”, como diz o ativista Julian Bond. Da mesma forma, ser cego ao gênero ignora os problemas que as pessoas de diferentes sexos enfrentam. (E isso não inclui os homens!)

O feminismo não escolhe ser cego para as consequências de ser uma mulher, porque ser mulher não é o mesmo que ser um homem.

Então, não, humanismo e igualitarismo não são o mesmo que o feminismo.
Mas ambos inerentemente apoiam o feminismo.

Nossa luta é internacional!

A desigualdade de gênero existe, e o feminismo, embora se esforce para a igualdade, também se concentra na luta contra essa forma de desigualdade.

E uma vez que o humanismo é sobre os direitos humanos e igualitarismo é sobre a igualdade, bem… o feminismo é parte de ambos.

Se você se identifica como quer humanista ou igualitária, você deve identificar como feminista também.
O feminismo é sobre a luta pela igualdade de direitos para todos os sexos (Direito de viver já que o feminicídio das mulheres negras não para de aumentar), e reconhecendo que muitos sexos não partilham os privilégios que os homens cis-gênero fazem.

Sim, tudo começou com os direitos das mulheres.

Mas não tem que acabar dessa forma.

TEXTO ORIGINAL : ESCRITO POR 

Carolina Ramos Heleno

 

 

 

 

 

 

 

Empreendedorismo Rosa
Lênia Luz
Lênia Luz Seguir

Mentora Fundadora do Empreendedorismo Rosa Líder do Comitê Empreendedorismo no Grupo Mulheres do Brasil – Núcleo Paraná Lider do Lean In Circle ER Brasil Há 7 anos criou uma marca que se tornou um negócio e que hoje é seu real propósito de vida: o Em

Ler conteúdo completo
Indicados para você